Histórico

ROBERTO VICTORIO nasceu no Rio de Janeiro em 1959. Concluiu o bacharelado em Violão na FAMASF-Rio e pela Universidade Federal do Rio de Janeiro obteve os títulos de Regência (bacharelado) e Composição (mestrado). Foi professor de composição e orquestração do Conservatório Brasileiro de Música do Rio de Janeiro; regente e diretor musical da Orquestra de Câmara do Rio de Janeiro; regente do Grupo Música Nova da UFRJ, até 1993 ; e bolsista da Fundação Rio Arte e Fundação Vitae para os programas de composição, respectivamente em 1996 e 2000.

Como Compositor tem em seu catálogo mais de duas centenas de obras executadas nos principais eventos de música contemporânea fora do país, tais como: Festival de Música Nova de Zurique, Hamburgo, Nova Iorque, Budapeste, Bourges, Grösnjan, Montevidéu, Santiago, Genebra, Estocolmo, Tóquio, Amsterdam, Bucarest e Cluj Napoca; além de ativa participação em todos os eventos ligados à música contemporânea no Brasil, como compositor e regente.

 

roberto Victorio

 

Recebeu o 1º Prêmio no Concurso Latino Americano de Composição para Orquestra em Montevidéu; Menção Honrosa no Concurso Internacional de Composição de Budapeste; 3° Prêmio no Concurso Nacional de Composição para Violão de São Paulo; 2º Prêmio no Concurso “500 Anos das Américas”, para orquestra; 3º Prêmio no Concurso de Composição Bahia Ensemble-UFBa; Menção Honrosa no Concurso de Oldenburg, 1 Prêmio no Concurso de Composição do Instituto Brasil Estados Unidos; dentre outros.

Representou o Brasil no Seminário “Time in Music” em Grösnjan/Yugoslávia (1988), na Tribuna Internacional de Composição da UNESCO em Paris (1995/97/99), na Tribuna Internacional de Música da América Latina e Caribe (1997); no Festival da Sociedade Internacional de Música Contemporânea, na Romênia (1999); BAM Dialogue, em Amsterdam, dentre outros.

Em 1994 atuou a frente da Orquestra Sinfônica da Universidade Federal de Mato Grosso, como regente e diretor musical, com um repertório exclusivamente voltado para a música do século XX.

É professor e pesquisador do Departamento de Artes da UFMT; regente, instrumentista e diretor musical do Grupo Sextante – música contemporânea – e idealizador das Bienais de Música Brasileira Contemporânea de Mato Grosso.

Doutor em Etnomusicologia pela Universidade do Rio de Janeiro (UNI-Rio) com pesquisa voltada para a música ritual da etnia Bororo de Mato Grosso.